Arquiteturas: Mercado Central de Belo Horizonte

Arquiteturas: Mercado Central de Belo Horizonte

O Mercado Central é o espaço público tradicional mais rico e plural de Belo Horizonte. Além do seu valor cultural e afetivo para a população da cidade, há duas razões para seu sucesso: qualidade dos produtos e segurança. O mercado abriu em 1929, mas em 1964 a prefeitura não pode mais mantê-lo. Os comerciantes se organizaram em uma cooperativa e compraram o mercado. Ao contrário de outros mercados brasileiros, o de Belo Horizonte manteve sua função de abastecimento.

Como ele conseguiu equilibrar a preservação de sua tradição e ao mesmo tempo sobreviver à concorrência imposta pelo tempo? Descubra neste episódio da série Arquiteturas, do SescTV.



Artigos relacionados

Morre Clóvis Ilgenfritz, pioneiro da arquitetura social, morre aos 80 anos

CAU/BR solta nota a respeito da morte do arquiteto Clóvis Ilgenfritz da Silva. Confira:   É com pesar que o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil noticia o falecimento às 23h50 do sábado, dia 23, em Porto Alegre, do 

São Paulo nas Alturas

Foi lançado na quarta-feira (16) o livro São Paulo nas Alturas, do jornalista Raul Juste Lores. Desde cedo observador. Quando criança, Raul já passeava pelas ruas de Santos com atenção, admirado pelos grandes edifícios e construções. Em 2015, quando chegou

Arquiteturas: Largo da Batata

um deserto de concreto floresceu inovação urbana

Um comentário

Escreva um comentário

Escreva um comentário

Deixe uma resposta