Aterro do Flamengo

Aterro do Flamengo

O chamado Aterro do Flamengo, que ocupa a orla da baía de Guanabara – entre o Aeroporto Santos Dumont e a enseada de Botafogo datam da década de 1950 (o parque foi projetado entre 1954 a 1959), mas suas obras só começaram em 1961, no governo de Carlos Lacerda.

O aterro propriamente dito foi resultado do desmonte do morro de Santo Antônio, cujas obras começaram entre 1952 e 1954, na administração do prefeito Dulcídio Cardoso, e foram concluídas em 1958, na administração de Francisco Negrão de Lima.

Os projetos urbanístico e arquitetônico que definiram a ocupação desse aterro foram feitos por Affonso Eduardo Reidy (1909-1964), então funcionário do Departamento de Urbanismo da Prefeitura do Rio de Janeiro, enquanto Burle Marx definiu o paisagismo. Os dois projetos tiveram em Lotta Macedo Soares (1910-1967) a principal apoiadora.

O parque do Flamengo tem 7 quilômetros de extensão e 1.301.306 metros quadrados e inclui os jardins do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ) (1954) e do Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial (1956).
Além de integrar o centro à zona sul com suas vias expressas, a área ajardinada tornou-se um requisitado espaço de lazer com sua praia artificial de 1.500 metros de extensão, uma pista de aeromodelismo, quadras esportivas, campos de futebol, playgrounds e tanque para nautimodelismo.


Artigos relacionados

Morre arquiteto e urbanista Paulo Casé, aos 87 anos

Paulo Casé faleceu na segunda-feira, 27 de agosto. Há cerca de um mês, o arquiteto e urbanista estava internado, após sofrer um AVC. Casé deixa quatro filhos, cinco netos e esposa. O velório será amanhã, a partir de 12h, no

Prefeitura planeja ciclovias nas principais avenidas de São Paulo

Avenidas como a Brasil, Doutor Arnaldo, Inajar de Souza, Teotônio Vilela, Salim Farah Maluf e um trecho da Marginal Pinheiros são algumas vias que podem ganhar ciclovias ou ciclofaixas até 2020. É o que mostra o mapa divulgado pela prefeitura

Patrimônio Histórico: Nota do CAU/BR sobre o incêndio no Museu Nacional, no RJ

A destruição o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, não pode passar em branco. Essa tragédia deve servir como um grito de basta contra o abandono, negligência e destruição da memória nacional. A realidade, lamentavelmente,

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta