Bicicletas ainda carecem de estímulo e proteção

Bicicletas ainda carecem de estímulo e proteção

Circulam pelo país cerca de 50 milhões de bicicletas contra 41 milhões de carros, de acordo com um estudo do IPEA. Apesar de estar em vantagem numérica, o transporte de duas rodas carece ainda de ciclovias ou ciclofaixas nas cidades brasileiras. O compartilhamento das ruas com os automóveis submetem os ciclistas a riscos enormes.

Há um ano, existe uma lei que pretende resolver esse problema, mas ela não saiu do papel até agora. A lei A Lei 13.724/2018, que instituiu o Programa Bicicleta Brasil (PBB) não menciona diretamente a proteção aos ciclistas em seus artigos, salvo quanto ao estabelecimento de vias intermunicipais “voltadas para o turismo e para o lazer”, mas pretende aumentar a construção de ciclovias e ciclofaixas e prevê a implantação de sistemas de aluguel de bicicletas a baixo custo em terminais de transporte coletivo, que também devem ter bicicletários.

Ainda falta regulamentar a lei, que busca dar cumprimento à à Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012), que tem entre suas diretrizes priorizar os modos de transportes não motorizados sobre os motorizados e os serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado.

A primeira oficina para debater e propor medidas e ações capazes de concretizar a lei acontecerá nos dias 15 e 16 de outubro, em Brasília, a sede da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), com a participação de quarenta organizações ligadas ao tema, incluindo a União de Ciclistas do Brasil (UCB) e a Frente Nacional de Prefeitos. A iniciativa é do grupo gestor criado pela Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana e Serviços Urbanos (Semob) do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Tomara que agora o Brasil comece a pedalar no rumo certo.

Texto de Paulo Markun



Artigos relacionados

Exposição sobre arquiteto Rino Levi disponível online

Aberta dia 29 de fevereiro – e temporariamente fechada pela pandemia, , a Ocupação Rino Levi conta também com um site com material exclusivo: fotos, textos e vídeos. Paulista, descendente de italianos, Levi estudou arquitetura em Milão e Roma e foi um dos

Arquitetos participam do enfrentamento à pandemia

Tudo começou com uma chamada aberta aos arquitetos, feita entre março e abril pelo governo de Córdoba, na Argentina, para que se pensassem modelos de hospitais de campanha. A dupla Rodrigo Messina e Francisco Rivas, do escritório Messinarivas Arquitetura, sediado

Rosewood anuncia sua primeira propriedade na América do Sul

A Rosewood São Paulo, com inauguração prevista para 2021, estará localizada em um edifício histórico de 1904 que fica no centro da Cidade Matarazzo, um complexo de elegantes edifícios preservados que foram construídos no início do século XX.    

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta