Bicicletas ainda carecem de estímulo e proteção

Bicicletas ainda carecem de estímulo e proteção

Circulam pelo país cerca de 50 milhões de bicicletas contra 41 milhões de carros, de acordo com um estudo do IPEA. Apesar de estar em vantagem numérica, o transporte de duas rodas carece ainda de ciclovias ou ciclofaixas nas cidades brasileiras. O compartilhamento das ruas com os automóveis submetem os ciclistas a riscos enormes.

Há um ano, existe uma lei que pretende resolver esse problema, mas ela não saiu do papel até agora. A lei A Lei 13.724/2018, que instituiu o Programa Bicicleta Brasil (PBB) não menciona diretamente a proteção aos ciclistas em seus artigos, salvo quanto ao estabelecimento de vias intermunicipais “voltadas para o turismo e para o lazer”, mas pretende aumentar a construção de ciclovias e ciclofaixas e prevê a implantação de sistemas de aluguel de bicicletas a baixo custo em terminais de transporte coletivo, que também devem ter bicicletários.

Ainda falta regulamentar a lei, que busca dar cumprimento à à Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012), que tem entre suas diretrizes priorizar os modos de transportes não motorizados sobre os motorizados e os serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado.

A primeira oficina para debater e propor medidas e ações capazes de concretizar a lei acontecerá nos dias 15 e 16 de outubro, em Brasília, a sede da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), com a participação de quarenta organizações ligadas ao tema, incluindo a União de Ciclistas do Brasil (UCB) e a Frente Nacional de Prefeitos. A iniciativa é do grupo gestor criado pela Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana e Serviços Urbanos (Semob) do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Tomara que agora o Brasil comece a pedalar no rumo certo.

Texto de Paulo Markun



Artigos relacionados

Curadores da XII Bienal de Arquitetura de São Paulo são premiados com fundos da Graham Foundation

A equipe de curadores da XII Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, composta pelos arquitetos Vanessa Grossman, Charlotte Malterre-Barthes e Ciro Miguel, foi nomeada uma das vencedoras dos concorridos Grants to Individuals (Subsídios a indivíduos) de 2019 da prestigiosa

A Casa de Jajja

A arquiteta brasileira Mariana Montag, recém formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, criou um projeto que visa a construção de casas por e para mulheres da zona rural de Uganda. Jajja Nonnono Imaculate, de 75 anos, é a primeira beneficiada com

Filme sobre Lina Bo Bardi estreia em Londres

As atrizes Fernanda Montenegro e Fernanda Torres interpretam Lina Bo Bardi em diferentes fases de sua vida. A trajetória da arquiteta é retratada na vídeo-instalação “A marvellous entanglement”, concebida e dirigida pelo artista britânico Isaac Julien.     O projeto,

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta