Burle Marx: aniversário e homenagem em exposição em Nova York

Roberto Burle Marx nasceu no dia 04 de agosto de 1909. Neste mês completaria 110 anos. 

Seu fascínio pela beleza e diversidade da vegetação brasileira se dá a partir no final da década de 1920, quando Roberto e sua família de mudam para Berlim. A visita ao Jardim Botânico de Dahlen marca o início da sua relação com o paisagismo, das suas expedições botânicas, da sua coleção posterior no Sítio Burle Marx e de seu trabalho constante na defesa do meio ambiente e sustentabilidade. 

Se firma como um artista singular no campo do paisagismo. Reconhecido nacionalmente e internacionalmente por mesclar no seu trabalho o conceitos de arquitetura, ecologia, botânica,, design, ciência e arte.

De volta ao Brasil, em 1934, idealiza e desenvolve seu primeiro projeto de jardim público: a Praça de Casa Forte, no Recife. Nesse mesmo ano assumiu o cargo de Diretor de Parques e Jardins do Departamento de Arquitetura e Urbanismo de Pernambuco. 

Burle Marx ainda participou da elaboração paisagística do jardim do atual Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro; projetou o jardim do Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte; projetou o paisagismo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o MAM. Em 1961, projeto o paisagismo para o Eixo Monumental de Brasília, e para o Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro. Ainda no final dessa década, participou também de projetos internacionais, como o paisagismo da Embaixada do Brasil em Washington, D.C., nos Estados Unidos.

Morou grande parte de sua vida no Rio de Janeiro, onde estão concentradas suas obras – embora possam ser encontradas ao redor do mundo. Até o mês de setembro de 2019, por exemplo, Burle Marx é tem a maior exposição da história do Jardim Botânico de Nova York. São apresentadas mais de 80 espécies de plantas tropicais.

“Burle Marx foi um gênio, um gênio em todos os sentidos. A gente conhece Burle Marx sobretudo como paisagista, mas eu acho que Burle Marx foi muito mais do que isso. Ele foi uma explosão de energia na cena brasileira e na cena mundial”, diz Edward Sullivan, curador da exposição que levou cerca de três anos para ser planejada. 

 

Fonte: Escritório Burle Marx; Globo

 



Artigos relacionados

Conpresp aprova tombamento do Complexo do Carandiru e de prédios, piscinas e estádio da USP

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) aprovou o tombamento do Complexo do Carandiru, na Zona Norte, e de um conjunto de imóveis da Universidade de São Paulo, na Zona Oeste.

Cohousing, a “república” de velhos, conquista espaço em Portugal

Texto do jornalista Paulo Markun para o blog Em Tempo, da Folha de S.Paulo O conceito do cohousing surgiu na Dinamarca nos anos 70 do século passado – hoje 8% dos dinamarqueses vivem nesse tipo de moradia. A expressão foi

Dois projetos brasileiros são finalistas do 2018 Mies Crown Hall Americas Prize

O diretor Dirk Denison e o presidente do júri do MCHAP de 2018, Ricky Burdett, anunciaram os seis finalistas da edição de 2018 do Mies Crown Hall America Prize. Selecionados de uma lista de 31 projetos, esses projetos concorrerão ao

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta