Burle Marx

Burle Marx

Roberto Burle Marx, renomado paisagista brasileiro, nasceu em São Paulo, em 1909 e se formou em Artes Plásticas na Escola de Belas Artes do Rio de Janeiro. Foi na universidade que entrou em contato com vários representantes da escola modernista de arquitetura, como Lúcio Costa e Oscar Niemeyer.


Pode-se dizer que o talento de Burle Marx para a arquitetura e desenvolveu dentro de suas múltiplas atividades como artista, pintor e desinger de jóias. Lúcio Costa, amigo e vizinho, pediu alguns projetos de jardins e terraços após conhecer suas habilidades como botânico. A partir daí começa sua relação com os arquitetos modernistas em muitos projetos notáveis, como os projetos paisagísticos do Eixo Monumental de Brasília, da área verde do conjunto habitacional do Pedregulho, do Aterro do Flamengo e o terraço-jardim do edifício Gustavo Capanema, conhecido como Ministério da Educação e Cultura.

Ele introduz o uso de plantas nativas para composição dos jardins pois queria quebrar a hegemonia dos jardins de caráter europeu e realizar um paisagismo mais voltado à rica biodiversidade do Brasil, utilizando plantas da caatinga e das florestas tropicais. Para ele o jardim não devia se assemelhar à natureza, pois era algo estritamente humano, e por isso invariavelmente manifestava uma intenção, uma interpretação.

Burle Marx morreu em 1994 após projetar mais de dois mil jardins.


Artigos relacionados

Novo site reúne obras de mulheres pioneiras na arquitetura

A Beverly Willis Architecture Foundation lançou um novo site chamado “Pioneering Women of American Architecture“. O site procura promover e documentar mulheres importantes para a história da arquitetura, sendo o resultado de numerosas entrevistas, pesquisas e documentação fotográfica. Desde 2012,

Conjunto Habitacional do Pedregulho

O conjunto chama atenção na paisagem do bairro de São Cristóvão, na cidade do Rio de Janeiro. Foi criado originalmente para ser moradia dos funcionários do Distrito Federal, antigo estado da Guanabara.

SP: O Plano Diretor e as caminhadas urbanas. Vai ficar melhor andar a pé pela cidade? por Mauro Calliari

A primeira boa notícia é que a “ampliação e requalificação dos espaços públicos” é um dos 17 objetivos estratégicos para a cidade.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta