CAU/SP ganha sede própria em edifício histórico no centro da capital paulista

CAU/SP ganha sede própria em edifício histórico no centro da capital paulista
O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo deu um importante passo em sua ainda jovem história: a aquisição de sua sede própria. Os conselheiros e conselheiras presentes, nesta quinta-feira, dia 05/12, na 3ª Reunião Plenária Extraordinária do CAU/SP, aprovaram por unanimidade a autorização para a compra do Edifício localizado à Rua XV de Novembro, 194 – Centro – na capital paulista.
O prédio de oito pavimentos, projetado pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo e tombado como patrimônio histórico, está localizado no chamado ‘Triângulo Histórico’ de São Paulo – onde estão situados os principais prédios históricos da cidade.
Vinte e um meses separam o dia de hoje da data de início dos trabalhos da Comissão Temporária para Aquisição de Sedes Próprias, instaurada em março de 2018. De lá para cá, foram realizadas inúmeras ações e superados os processos legais para a concretização da compra, que já constava nos planos de ação do CAU/SP desde a sua primeira gestão em 2012.
A documentação completa relacionada à aquisição da sede é composta por 31 volumes, relativos aos quatro processos administrativos nos quais estão registrados todos os trâmites e o detalhamento das ações e análises realizadas pelo Grupo de Trabalho Sede – composto por funcionários -, pela Comissão Temporária para Aquisição das Sedes Próprias, além da contratação da Caixa Econômica Federal para a avaliação oficial do imóvel, e do processo administrativo de compra, propriamente dito.
“A Comissão de Aquisição das Sedes teve, ao longo desses quase dois anos, uma árdua tarefa, que não teria sido possível sem o apoio dos funcionários do CAU/SP. Primeiramente, com os funcionários arquitetos, que formaram o GT Sede, até o apoio dedicado do chefe de gabinete do CAU/SP, Fernando Costa”, relatou Miriam Addor, conselheira e Coordenadora da referida Comissão.
Segundo Miriam, “foi um trabalho muito técnico, de muita pesquisa, que culminou com esse legado para o Conselho. Legado que não vai ser somente de um prédio para abrigar a sede do CAU/SP, mas, mais do que isso, será a ‘casa do arquiteto’. Lá poderemos receber melhor os profissionais da capital e do interior”.
Durante a reunião plenária, que aprovou a compra do imóvel no valor de R$39.939.984,00 (trinta e nove milhões novecentos e trinta e nove mil novecentos e oitenta e quatro reais), foi destacado o ganho adicional para Conselho e a sociedade em geral, em função do valor imaterial, simbólico e arquitetônico do edifício, sob as devidas prerrogativas formais.
“A aquisição da sede representa um marco histórico na relação da categoria de arquitetos e urbanistas com a sociedade, porque, em pleno ‘Triângulo Histórico’ da capital, teremos a oportunidade de nos comunicar com os arquitetos e não arquitetos e demonstrar a relevância do nosso trabalho, na prestação de serviços, na defesa do patrimônio histórico e no desenvolvimento cultural do país”, ressalta Sergio Sampaio, conselheiro e membro da CT de Aquisição das Sedes Próprias.
Segundo Sergio, a escolha do edifício expressa ainda um caráter pedagógico na valorização da Arquitetura e Urbanismo e na revitalização do centro da capital.
Edifício histórico, patrimônio arquitetônico e cultural
O edifício, construído em 1912, conforme registro fotográfico existente no acervo do CONDEPHAAT, foi projetado pelo escritório de Ramos de Azevedo, que também foi responsável pelos renomados projetos do Theatro Municipal e da Pinacoteca do Estado de São Paulo.

Edifício localizado na Rua XV de Novembro, no centro de São Paulo, será adquirido pelo CAU/SP para instalação da sede do Conselho.

O imóvel foi totalmente restaurado no ano de 2002, mantendo as características originais e garantindo a preservação da leitura arquitetônica mais antiga da fachada do prédio. Há no entorno dez centros culturais e 250 bens tombados pelos órgãos de defesa do Patrimônio Histórico.
“O CAU/SP é uma autarquia pública federal e, por isso, deve aplicar todos os recursos financeiros em fiscalização, serviços ao profissional, manutenção administrativa e ações que valorizem a Arquitetura e Urbanismo, conforme previsto na Lei Federal 12.378/2010”, afirmou o Presidente do CAU/SP, José Roberto Geraldine Junior.
De acordo com o Presidente, o principal objetivo do CAU/SP é ter uma sede capaz de atender todas as necessidades identificadas – como espaço para atendimento ao público e reuniões plenárias -, além de garantir o melhor e mais adequado funcionamento da autarquia.
“Utilizaremos o capital imobilizado do CAU/SP, ou seja, recursos que só podem ser investidos em bens e infraestrutura, para a aquisição de uma sede bem localizada, nas dimensões e características adequadas às demandas do Conselho, e ainda agregando o valor arquitetônico incalculável deste edifício”, destacou.
Para Geraldine, a votação unânime do Plenário demonstra a unidade em torno do tema, o reconhecimento à seriedade do trabalho da Comissão Temporária de Aquisição das Sedes Próprias e a certeza de que o espaço atende às necessidades dos profissionais e do CAU/SP.
Publicado originalmente em 05/12/2019, por Daniele Moraes – CAU/SP


Artigos relacionados

Rosewood anuncia sua primeira propriedade na América do Sul

A Rosewood São Paulo, com inauguração prevista para 2021, estará localizada em um edifício histórico de 1904 que fica no centro da Cidade Matarazzo, um complexo de elegantes edifícios preservados que foram construídos no início do século XX.    

Concurso para estudantes premiará melhor arquitetura e design para Complexo da Maré, no Rio de Janeiro

Concurso Internacional de Ideias Maré-Cidade, uma iniciativa apoiada pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos, ONU-Habitat, faz parte do 27º Congresso Mundial de Arquitetos – UIA2020RIO, que ocorrerá no Rio de Janeiro, de 19 a 23 de julho

Infinito Vão: 90 Anos de Arquitetura Brasileira

Exposição “Infinito Vão: 90 Anos de Arquitetura Brasileira” chega ao Brasil em abril desse ano. Idealizada pela Casa de Arquitectura – Centro Português de Arquitectura em 2018, a mostra – uma das maiores dedicadas à arquitetura brasileira -, tem curadoria

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta