CAU/SP assina Termo de Cooperação Técnica com Secretaria de Cultura de São Paulo

CAU/SP assina Termo de Cooperação Técnica com Secretaria de Cultura de São Paulo

A preservação e valorização do patrimônio cultural de São Paulo, a melhoria da administração e fiscalização dos bens tombados, e a qualificação e capacitação dos arquitetos e urbanistas são os eixos centrais do Termo de Cooperação assinado em dezembro entre o CAU/SP e a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

O então Secretário da Cultura do Estado de São Paulo (SEC), Romildo Campello, (gestão encerrada em 2018) e o Presidente do CAU/SP, José Roberto Geraldine Junior, assinaram o Termo de Cooperação Técnica no dia 21/12, sendo aprovado por unanimidade na última reunião plenária do CAU/SP de 2018.

 

Mais antigo parque público do município de São Paulo, o Jardim da Luz (1825) foi tombado no início da década de 80 pelo Condephaat. Imagem: Wikimedia Commons.

 

O ato contou com a presença da arquiteta e urbanista Maria Rita Silveira de Paula Amoroso, Coordenadora da Comissão Especial de Patrimônio Cultural CPC-CAU/SP, e de Valéria Rossi Domingos, Coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico (UPPH) — o departamento do Condephaat a qual vai competir a execução da parceria junto ao Conselho.

“Este convênio será importante para reforçar a preocupação do CAU/SP com a preservação e a administração adequada do patrimônio das cidades. O convênio também assimila algumas das ideias debatidas em nossa Carta Aberta aos candidatos, com propostas dos arquitetos e urbanistas para o Estado, e que divulgamos no ano passado”, lembrou Geraldine.

A cooperação técnica entre a Secretaria e o Conselho paulista tem quatro eixos:

  • A realização de publicações sobre a arquitetura paulista reconhecida como Patrimônio Cultural no Estado de São Paulo, com base nos dossiês e processos de tombamento elaborados pelo corpo técnico da UPPH (Unidade de Preservação do Patrimônio Histórico) para decisão pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico);
  • A realização de palestras, oficinas e outras atividades de caráter educativo, formativo ou técnico, sobretudo visando a capacitação dos arquitetos e urbanistas, seja para intervir em bens tombados quanto para contribuir na fiscalização das condições de conservação do patrimônio protegido pelo Condephaat;
  • A implementação da Lista do Patrimônio Paulista em Perigo, uma política pública de preservação inédita no Brasil – inspirada em programas similares no âmbito da Unesco e na Inglaterra e formulada entre corpo técnico da UPPH e Especialistas de Políticas Públicas da Secretaria do Planejamento. Aqui, o objetivo é identificar preventivamente os bens tombados em maior situação de risco em São Paulo para sua prioridade na agenda de Estado. Esta iniciativa inclui a adoção de um bem tombado pelo Condephaat nessa situação para execução de projeto-piloto a ser levado, por meio do CAU/SP, à UIA 2020 – 27º Congresso Mundial de Arquitetos, a ser realizado no Rio de Janeiro em 2020 pela União Internacional dos Arquitetos;
  • Início da formulação e implementação de um sistema estadual de conselhos de patrimônio cultural no Estado de São Paulo, mediante a criação de um banco públicos de dados georreferenciados sobre o Condephaat e os conselhos locais, bem como o fortalecimento de redes regionais de atuação para a preservação do patrimônio cultural.

 

Um plano de trabalho para desenvolver as ações previstas vai ser estabelecido pelo CAU/SP e a Secretaria de Cultura proximamente.

O convênio entre as duas instituições é inédito, e começou a ser pensado a partir de um contato inicial da UPHH com o Conselho durante o seminário realizado pelo CAU/SP em agosto para avaliar a política de preservação de bens culturais e suas articulações com as políticas urbanas e habitacionais.

Na ocasião, o técnico do UPPH, o arquiteto e urbanista José Antonio Chinelato Zagato, participou de uma das mesas do seminário, discutindo os desafios para a preservação do patrimônio no Estado de São Paulo. Posteriormente, a CPC-CAU/SP procurou Zagatto e a Coordenadora da UPPH para tratar de parcerias em ações de interesse mútuo das duas instituições.

Texto original CAU/BR, com informações da Secretaria de Cultura de SP



Artigos relacionados

Aterro do Flamengo

O chamado Aterro do Flamengo, que ocupa a orla da baía de Guanabara – entre o Aeroporto Santos Dumont e a enseada de Botafogo datam da década de 1950 (o parque foi projetado entre 1954 a 1959), mas suas obras só começaram em 1961, no governo de Carlos Lacerda.

Ribeirão Preto faz convênio para restaurar museus em risco

A Prefeitura de Ribeirão Preto assinou convênio com o Centro Universitário Moura Lacerda para um projeto de intervenção e recuperação do Museu Histórico e do Museu do Café, situados no câmpus local da Universidade de São Paulo (USP). Os museus

Anunciados os vencedores da Bienal de Veneza de 2018

As curadoras da Bienal de Veneza de 2018, Yvonne Farrell, e Shelley McNamara, da Grafton Architects, anunciaram as contribuições vencedoras para a 16ª Exposição Internacional de Arquitetura.  Entre os destaques está o português Eduardo Souto de Moura. O arquiteto venceu

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta