A primeira atividade humana, por Gustavo Penna

A primeira atividade humana, por Gustavo Penna

Um dos arquitetos mais importantes do pós-modernismo brasileiro, Gustavo Penna, nasceu em 1950, em Belo Horizonte e se formou em arquitetura pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1973. No mesmo ano criou seu escritório, onde trabalha até hoje. Teve grande contato com o movimento modernista por ser morador da Pampulha, onde conviveu desde cedo com os traços curvos da arquitetura de Oscar Niemeyer. Além disso, seu pai, engenheiro, fez alguns edifícios durante a construção de Brasília.

Gustavo Penna explica, em entrevista para Paulo Markun do portal Arquitetura para Todos do CAU/BR, por que considera a arquitetura a primeira atividade humana e fala quais as características que um projeto precisa manifestar para resultar em um boa obra para a cidade em seu entorno:



Artigos relacionados

Música não é só bossa nova e arquitetura não é só moderna, diz Sylvio de Podestá

O arquiteto mineiro Sylvio de Podestá critica o dogmatismo da arquitetura moderna brasileira e diz que como na música não se pode reduzir tudo à bossa nova, na arquitetura, é preciso enfrentar o desafio dos grandes centros e conversar com

O que é um bom projeto, por Rosa Kliass

A paisagista Rosa Kliass, de 82 anos, relembra sua atuação na Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas e explicou o que um projeto precisa ter para ser de seu agrado. Com Paulo Markun, ela também debateu o paisagismo de São Paulo e

Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou a arquiteto Sylvio de Podestá, um crítico da arquitetura modernista que teve seu apogeu nos anos 50 do século passado.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta