InfoPatrimônio: uma plataforma que reúne o patrimônio cultural brasileiro

Reunir, em um só lugar, todo o patrimônio cultural brasileiro tombado ou registrado nas quatro instâncias – internacional, federal, estadual e municipal – é a principal meta do InfoPatrimônio, uma ação pioneira com o uso de georreferenciamento. A plataforma existe há cinco anos, e hoje mostra aproximadamente 2 mil bens com dados precisos, obtidos do acervo de instituições como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco); o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan); o Conselho de Defesa do Patrimônio do Estado de São Paulo (Condephaat); o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) e a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe).

Tudo começou há 5 anos, quando o engenheiro Caio Lucena e o arquiteto Antonio Zagato resolveram criar uma solução orientada para o conhecimento, promoção, monitoramento e controle social da preservação dos bens tombados no Estado de São Paulo. A ferramenta deu tão certo que assumiu um caráter mais abrangente, abarcando o território nacional.

A partir de um mapa é possível informar muito mais sobre o espaço físico. É o que demonstra a experiência pioneira do InfoPatrimônio, cujos dados foram georreferenciados e mapeados com base em coordenadas geográficas, que permitem cruzar uma série de informações a partir de mapas e estatísticas. A iniciativa foi premiada em segundo lugar pelo GeoExperience: Maratona de Ideias Geográficas, evento promovido pela Emplasa – Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano S.A. –, em 2014.

O georreferenciamento do patrimônio cultural com dados públicos adiciona uma nova dimensão de análise para a gestão, na medida em que as informações são distribuídas sobre o território. Geram-se novas possibilidades de conhecimento, apreensão e avaliação dos dados pelo Estado e pela sociedade. Estes, em conjunto, podem analisar e atuar construtivamente nas políticas públicas.

Para a população, o infoPatrimônio amplia o conhecimento sobre as referências culturais para a identidade e a memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira já reconhecidas pelos órgãos oficiais. Novos entendimentos são permitidos quanto à distribuição espacial dos bens e os “vazios patrimoniais” – áreas com ausência de representação oficial dos bens culturais. Isso permite ao usuário refletir sobre a própria identidade e visa fomentar o engajamento social na identificação, no registro e na salvaguarda do patrimônio ainda não protegido.

 

 

Via: ArchDaily Brasil



Artigos relacionados

Aterro do Flamengo

O chamado Aterro do Flamengo, que ocupa a orla da baía de Guanabara – entre o Aeroporto Santos Dumont e a enseada de Botafogo datam da década de 1950 (o parque foi projetado entre 1954 a 1959), mas suas obras só começaram em 1961, no governo de Carlos Lacerda.

Prefeitura de São Paulo planeja retirar mosaicos portugueses de calçadões

As pedras devem ser substituídas por concreto a partir de janeiro. A justificativa da prefeitura é de que o novo piso facilita a acessibilidade e tem menor custo de manutenção – cerca de 6 vezes mais barato. De acordo com

Brasília completa 30 anos como Patrimônio Cultural da Humanidade

Patrimônio Cultural da Humanidade há trinta anos, há quem diga que Brasília seja um tesouro urbanístico desde a concepção, quando ainda era um apenas um projeto de capital idealizado por Lucio Costa. Nesta semana, a cidade comemorou o título que

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta