Lei Rouanet passará a valer para projetos de arquitetura e urbanismo

Lei Rouanet passará a valer para projetos de arquitetura e urbanismo

Considerada como “expressão cultural” pelo governo federal a partir de 2010, as atividades de arquitetura e urbanismo passam a receber em 2016 incentivos fiscais previstos pela Lei Rouanet.

A decisão oficializada em fevereiro de 2016 ainda aguarda o processo de regulamentação, mas uma coisa é certa apenas projetos poderão ser beneficiados, não suas construções, esses, por sua vez, deverão participar de um concurso público, que também poderá ter seu custo coberto, para eleger a melhor proposta.

Criada pelo arquiteto e presidente do Instituto de Arquitetos Brasil de São Paulo (IAB-SP), José Armênio de Brito Cruz, a proposta ainda não têm restrições quanto à finalidade das obras, podendo abranger projetos de edifícios públicos, comerciais, prédios residenciais e até mesmo casas. Porém, a proposta só contemplará profissionais que estejam inscritos no Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), deixando de fora os arquitetos estrangeiros.

Segundo texto publicado no site do IAB-RJ, para o presidente José Armênio essa medida simboliza um marco na Arquitetura Brasileira, já que representa “a autonomia cultural do projeto, que passa a ser reconhecido não só como um meio para a construção de uma obra, mas como uma disciplina capaz de ser assumida como atividade cultural”.

(Foto – MAC Niterói – Obra de Oscar Niemeyer)



Artigos relacionados

Marcelo Perret: sustentabilidade e acessibilidade são essenciais

Para o arquiteto Marcelo Perret, conselheiro do CAU/RJ e coordenador do Comissão de Ética Profissional da entidade, a Arquitetura precisa unir acessibilidade, sustentabilidade e plástica. Ele não arrisca indicar um exemplo que una os três itens.

Lúcio Costa

O urbanista que inventou Brasília era filho de brasileiros em serviço no exterior e nasceu na França. Estudou pintura e arquitetura na Escola Nacional de Belas-Artes, formou-se em 1924 e foi nomeado diretor da mesma instituição em 1930.

Empresa alemã é a primeira a desenvolver elevador sem cabos

A empresa ThyssenKrupp conseguiu desenvolver uma tecnologia que permite a mobilidade do elevador Multi  na horizontal e na vertical, sem a necessidade de cabos. O projeto foi inspirado nas invenções de “Willy Wonka”, do filme A Fantástica Fábrica de Chocolate.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta