Morre Clóvis Ilgenfritz, pioneiro da arquitetura social, morre aos 80 anos

Morre Clóvis Ilgenfritz, pioneiro da arquitetura social, morre aos 80 anos

CAU/BR solta nota a respeito da morte do arquiteto Clóvis Ilgenfritz da Silva. Confira:

 

É com pesar que o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil noticia o falecimento às 23h50 do sábado, dia 23, em Porto Alegre, do  arquiteto Clóvis Ilgenfritz da Silva, vítima de fibrose pulmonar. Ele tinha 80 anos e deixa três filhos: Letícia, Camilo e Tiago Holzmann da Silva , presidente do CAU/RS. 

Formado em 1965 pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), o arquiteto Clóvis Ilgenfritz da Silva dedicou boa parte de sua trajetória profissional a trabalhos de habitação popular e planejamento urbano, dividindo-a com a atuação em entidades representativas dos arquitetos. Ele foi pioneiro na defesa da Assistência Técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitações de interesse social, que considerava “como um SUS da habitação”, fundamental para melhorar as moradias e atingir um segmento da população sempre desassistido.

 

Clóvis Ilgenfritz em palestra do CAU BR

 

Para o presidente do CAU/BR, Luciano Guimarães, “o ano de 2019 tem sido cruel para a Arquitetura Social do país. Nem bem nos recuperamos da morte de Demetre Anastassakis, em julho, agora recebemos o baque da perda de Clóvis Ilgenfritz da Silva. Sua obra expressou exemplarmente a diretriz da função social da Arquitetura formulada pelo I Congresso Brasileiro de Arquitetos realizado em 1945 e desde então sempre reforçada. Seu pioneirismo na implantação de um projeto de assistência técnica para habitação de interesse social, na década de 1970, em Porto Alegre, foi a semente da ATHIS no país. A morte de Clóvis causa uma enorme tristeza. A Arquitetura e Urbanismo, nossos colegas e o país perdem um guerreiro do bem”.

O arquiteto foi presidente e fundador da Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA), entre 1983 e 1986, e do Sindicato dos Arquitetos no Estado do Rio Grande do Sul (Saergs), em suas primeiras três diretorias (1974 a 1983). Também foi vice-presidente do CAU/RS e conselheiro do CREA/RS. Em outubro passado,  Clóvis Ilgenfritz da Silva foi homenageado no 21º Congresso Brasileiro de Arquitetos (CBA), realizado em Porto Alegre, com o Colar de Ouro, comenda criada pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB) como reconhecimento máximo aos arquitetos pela sua obra e atuação profissional. 

No currículo de Clóvis está também uma extensa atuação ligada ao Partido dos Trabalhadores (PT), tendo sido um dos fundadores do partido (1981) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no mesmo ano.Foi vereador em Porto Alegre por três vezes na década de 1990 e deputado federal.“Quem não faz política, sofre a política dos demais”, dizia, incentivando a participação dos arquitetos e urbanistas em eleições para o Executivo e o Legislativo.

Para Nivaldo Andrade, presidente do IAB/DN,  “Clovis foi uma referência para todos nós e o IAB e os arquitetos brasileiros nos orgulhamos de tê-lo tido conosco. Sua missão de garantir o acesso à arquitetura e ao organismo às pessoas de baixa renda é extremamente atual e precisamos, mais do que nunca, nos espelhar em sua trajetória”.

Segundo  arquiteto e urbanista Gilson Paranhos, ex-presidente do IAB e igualmente dedicado à Arquitetura Social, “Clóvis teve uma vida em defesa dos mais necessitados. Homem de trincheira, de luta, fortíssimo e de coração sensível. A mesma mão que batia acariciava e com uma dignidade enorme” . Em determinado momento, conta ele, ” precisei falar com o presidente da República e Clóvis não exitou: “É meu amigo, tchê, vamos lá…e foi importantíssimo pra que hoje os arquitetos brasileiros pudessem tratar da Assistência Técnica ás famílias de baixa renda. Idealizou a lei federal 11888/2008 depois de viver a prática da mesma”. Ele complementa, em despedida: “vá tranquilo meu guru, o bastão está em nossas mãos, você cumpriu sua parte. Obrigado. Um grande e carinhoso abraço”.

“A trajetória de Clóvis Ilgenfritz da Silva se confunde com a criação dos sindicatos de arquitetos e da Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas, há 40 anos.”, diz Cicero Alvarez, presidente da FNA, falando em nome da Diretoria da entidade. ” Clóvis foi um grande profissional, colega e amigo de todos que passaram pela organização dos trabalhadores e luta sindical, merecendo nossas homenagens. O legado de Clóvis será sempre lembrado na luta por um mundo mais justo. Clóvis Ilgenfritz da Silva, presente!”.

Palavras de Ednezer Rodrigues Flores, conselheiro federal do CAU/BR pelo RS: “Clóvis Ilgenfritz da Silva , mestre, amigo, colega, referência profissional, cidadão, político, guerreiro, nos deixa um legado de vida, de companheirismo, de exemplo social. Guerreiro de várias batalhas, que lotou contra a tirania, a desigualdade social e por uma arquitetura de qualidade para os mais desprovidos; lutou sempre..por todos e pela vida. Como sindicalista mostrou que podemos ser fortes e ele foi assim até o seu passamento. Despedidas? Não. Intervalo. Nos veremos. Seu legado vive e estará sempre entre conosco. Um abraço aos familiares. Um beijo ao Mestre Clóvis. Que descanse o Guerreiro”.

O texto completo da redação do CAU/BR, você confere aqui.



Artigos relacionados

Obra da fachada do Palácio Gustavo Capanema é concluída

O edifício – um marco da arquitetura moderna no Brasil – passava por uma série de reparos desde 2014. O restauro da fachada do prédio, que já durava cerca de dois anos, foi finalizado nessa semana. A obra foi oficialmente

Exposição do CAU/GO revela 80 melhores imagens do concurso

Após receber mais de 130 inscrições, com 317 imagens, para seu 1º Concurso de Fotografia, o CAU/GO realiza de 4 a 29 de outubro uma exposição fotográfica com as 80 melhores imagens enviadas ao Conselho. A mostra estará aberta ao

MOSTRA LE CORBUSIER

O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, inaugura no dia 16 de junho, sábado, às 14h00, a exposição ‘Experimentando Le Corbusier – Interpretações contemporâneas do modernismo’. Com curadoria de Pierre Colnet e

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta