Mosaico português do centro paulista deve ser trocado ainda neste ano

O projeto de troca dos mosaicos portugueses por concreto, no centro de São Paulo, começou a ser testado já na gestão do ex prefeito Bruno Covas, em um trecho da Rua Doutor Miguel Couto. A ideia é que ele volta a ser volte a ser implementado ainda este ano e entregue no primeiro semestre de 2020. A mudança deve começar no triângulo histórico, entre as Ruas Boa Vista, Líbero Badaró e Benjamin Constant.

A alteração também será subterrânea, com a instalação de canaletas para organizar redes de telefonia, fibra óptica e saneamento. A Prefeitura atribui a maior parte dos problemas de manutenção às intervenções para realização de serviços.

 

O trecho do projeto-piloto abrange dois tipos de técnica, com placas cimentícias pré-fabricadas ou armado moldado in loco, como na Avenida Paulista. “Tem de ter resistência alta, porque a gente está falando de uma área em que circula carro-forte, caminhão-pipa”, explica o secretário de Desenvolvimento Urbano, Fernando Chucre. Ele adianta que um trecho será doado por empresas do setor financeiro. “O calçadão está em um estado muito ruim de conservação, até pela técnica construtiva utilizada, somada à questão de a estrutura ser muito velha, o que acaba causando quebras constantes.”

Após a execução do trecho do centro velho, uma nova licitação vai abarcar a troca das pedras portuguesas dos calçadões do chamado “centro novo”.

 

Texto/ Informações do jornal O Estado de S. Paulo

 


Artigos relacionados

CAU lança campanha do Dia Nacional do Arquiteto e Urbanista

O CAU comemora o Dia Nacional do Arquiteto e Urbanista 2018 com o tema “Arquitetura e Urbanismo fazem a diferença. E tornam a vida mais feliz”. A ideia é mostrar a importância do trabalho desses profissionais, visando sempre os conceitos

SP: O Plano Diretor e as caminhadas urbanas. Vai ficar melhor andar a pé pela cidade? por Mauro Calliari

A primeira boa notícia é que a “ampliação e requalificação dos espaços públicos” é um dos 17 objetivos estratégicos para a cidade.

Arquiteturas: Parque Sitiê

um lixão que virou parque.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta