Obras de Zanine Caldas no Centro Georges Pompidou em Paris

Obras de Zanine Caldas no Centro Georges Pompidou em Paris

Um dos centros culturais mais importantes do mundo, o Georges Pompidou, em Paris, vai abrigar em seu acervo cinco maquetes de casas, 15 croquis, dezenas de fotos e uma poltrona da década de 1950, doada pela família de Zanine Caldas (1919-2001).

As obras já deveriam estar na França, mas a entrega foi adiada em razão da pandemia. A aquisição é parte das coemorações do centenário do arquiteto, celebrado em 2019.

Aos 13 anos, começou a fazer presépios de Natal para os vizinhos usando caixas de seringa do pai, que era médico. Mais tarde, tomou aulas de desenho com um professor particular e, aos dezoito anos, foi para São Paulo, trabalhar como desenhista numa construtora

Mesmo sem ter nunca frequentado a faculdade, Zanine Caldas deixou uma obra arquitetônica importante. Projetou residências no Rio, Brasília, Belo Horizonte e Nova Viçosa, BA. Montava maquetes no ateliê fundado por ele em 1940 para atender aos mais renomados profissionais modernistas do país.

A madeira era sua principal matéria-prima. Foi dos primeiros a usar material de demolição – incorporando a suas obras azulejos, portas, janelas e telhas de prédios demolidos no centro do Rio.

 


Artigos relacionados

Seminário Internacional debate a valorização das mulheres arquitetas e urbanistas

Nos dias 09 e 10 de março, o CAU/SP realizará o Seminário Internacional: O Perfil e a Valorização das Mulheres na Arquitetura, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) do Mackenzie, em São Paulo. O evento é promovido pela Comissão

Estação Antártica é destaque no jornal The New York Times

A Estação Antártica Comandante Ferraz, que deve ser inaugurada ainda neste mês, foi tema de reportagem do jornal norte-americano The New York Times, no dia 06 de janeiro. Com o título “The Coolest Architecture on Earth Is in Antarctica” (Em tradução

SESC Birigui ganha prêmio de obra do ano 2020

O projeto do SESC Birigui, do escritório Teuba Arquitetura e Urbanismo levou o primeiro prêmio no concurso Archdaily de obra do ano 2020. Em segundo lugar ficou o Centro de Interpretação do Românico, projetado pelos portugueses do spaceworkers. A terceira

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta