Os jardins verticais e a compensação ambiental

Os jardins verticais e a compensação ambiental

A Justiça negou o pedido do Ministério Público de liminar que impede o município de São Paulo de tratar os jardins verticais como uma compensação ambiental do desmatamento causado pelos novos empreendimentos.

De acordo com o promotor de Justiça Marcos Stefani, da 1ª Promotoria de Justiça de Meio Ambiente de São Paulo, os jardins verticais são uma tentativa falha de proporcionar os mesmos serviços que as árvores adultas, porque realizam fotossíntese e evapotranspiração em menores escalas. Para ele, os jardins são benéficos à cidade, mas não são capazes de substituir as espécies arbóreos.

A Justiça, no entanto, recusou os argumentos do promotor. “Há muitos critérios técnicos, não abordados amplamente na inicial [do Ministério Público] que devem ser considerados; igualmente, há diversas situações fáticas que podem ora autorizar a compensação ambiental, ora desaprová-la, mas o pedido não faz distinção alguma e pretende a difusa e irrestrita suspensão de sua aplicação”, explica juiz Luis Manuel Fonseca Pires, da 3ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo.

A partir de agora, o processo continua e a prefeitura poderá se defender. A prefeitura já está ciente da decisão e não se posicionou sobre a mesma.

 

Fonte: G1



Artigos relacionados

FAU-USP fica entre as 40 melhores faculdades de Arquitetura e Urbanismo do mundo

A faculdade de arquitetura e urbanismo da USP ficou na 37ª posição na lista das 100 melhores do ano de 2016

Edifício Joaquim Nabuco é reaberto

A reinauguração do Edifício Joaquim Nabuco, que ocorrerá nesta terça-feira (17), às 19h, contará com diversas exposições realizadas por alunos, professores e parceiros da Universidade de São Paulo. São elas: Experimento, Encyclopædia, Papyrus Textil, Simplex Machina, Pina in Memoriam e

Museu Ao Ar Livre Princesa Isabel é tombado pelo Iphan

Na quarta-feira, 12, o Conselho Nacional do Patrimônio Cultura do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) julgou, por fim, a proposta catarinense de tombamento da instituição – processo iniciado em 1987. O Museu Ao Ar Livre Princesa Isabel,

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta