Oscar Niemeyer no Roda Viva

Oscar Niemeyer no Roda Viva

 

Carioca nascido em 1907, Oscar Niemeyer ensaiava o sonho de ser arquiteto ainda na infância, traçando com o dedo formas soltas no espaço. Entrou para a Escola de Belas Artes com 20 anos e, ao dividir um atelier com seu amigo, o arquiteto Lúcio Costa, surgiu o primeiro trabalho da dupla o projeto do antigo ministério da educação no Rio de Janeiro. Em 1940 conheceu Juscelino Kubitschek, então prefeito de Belo Horizonte, que lhe encomendou da noite para o dia o projeto do conjunto da Pampulha. Numa época em que a fantasia não saía dos conceitos Niemeyer mergulhou num mundo de novas formas lirismo e liberdade criadora abrindo caminho para a arquitetura moderna no Brasil.

Os anos 50 ainda não tinham chegado e Niemeyer já participava do planejamento da sede das Nações Unidas, em Nova York, e projetava o parque Ibirapuera e o edifício Copam, em São Paulo. Em 56, um novo encontro com Kubitschek e mais uma encomenda, os palácios de Brasília, a nova capital federal. Morou por três anos na nova capital onde concebeu uma de suas principais marcas – as colunas do Palácio da Alvorada e os arcos do Palácio do Itamaraty. O nome Niemeyer já corria o mundo, em 63 recebe o prêmio Lênin da paz, e no ano seguinte estava na Europa quando soube do golpe militar no Brasil. Foi então para Israel onde elaborou diversos projetos. De volta ao Brasil, projetou o Memorial da América Latina, em São Paulo, é homenageado como grande oficial da Ordem do Rio Branco.

Em 88, nos Estados Unidos, recebe o prêmio Pritzker de arquitetura. Nos anos 90 espalha ainda mais sua marca pelo Brasil. No ano passado [1998] Niemeyer recebeu o prêmio Leão de Ouro da Bienal de Veneza e projetou o monumento Eldorado Memória, oferecido ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra. Monumentos, torres, prédios, o mundo de Niemeyer criou uma marca única de cúpulas e arcos, um desenho próprio e inconfundível, que por linhas retas e tortas conta por inteiro a história da moderna arquitetura brasileira.


Artigos relacionados

Anunciados os vencedores do 5º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel

A exposição com as obras vencedoras fica aberta até o dia 23 de setembro. Os 13 projetos finalistas – selecionados entre os 244 inscritos, provenientes de 17 Estados brasileiros e Distrito Federal – fazem parte da exposição no Instituto Tomie

Apiacás Arquitetos

Formado em 2000 pelos arquitetos Anderson Freitas, Giancarlo Latorraca e Pedro Barros, o escritório desenvolve projetos na área institucional pública/ privada, residencial e museográfica. Em 2006, obteve menção honrosa no Concurso Público Nacional para o Campus da Universidade Federal –

Ocupação Gregori Warchavchik

Está aberta a Ocupação Gregori Warchavchik. A mostra faz parte da 44ª edição do programa Ocupação Itaú Cultural. Naturalizado brasileiro, o arquiteto ucraniano Gregori Warchavchik foi o responsável pela construção da primeira obra modernista no Brasil, a Casa Modernista, localizada

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta