Prefeitura de São Paulo quer desconto de IPTU para imóveis tombados

A Prefeitura de São Paulo voltou a debater a isenção de cobrança e o desconto do Imposto Predial e Territorial Urbano para imóveis tombados. A proposta prevê a isenção do IPTU apenas para bens tombados que se localizam na região central da cidade de São Paulo, dentro de um perímetro que ainda está sendo definido, e não contemplará os que estão sujeito a restrições, como os localizados em bairros preservados – por exemplo Jardins e Pacaembu.

Nas demais regiões da capital paulista haverá um desconto no imposto que deverá abarcar aproximadamente 60% de todos os imóveis tombados, que atualmente totalizam mais de 3 mil edificações. Para ser contemplado, o proprietário deverá comprovar anualmente que o bem está em boas condições, isto é, imóveis que precisam ainda passar por recuperação não se beneficiarão com a nova legislação.

“É uma medida que entendemos justa. E uma forma de iniciar uma política pública que olhe não apenas para o tombamento, mas para a preservação e para o restauro, que em geral são relegados a segundo plano”, diz o secretário de Cultura, André Sturm.

Apoiada pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a medida já estava em pauta quando Nadia Somekh foi presidente do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) e diretora do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH), entre 2013 e 2016.

“É um reconhecimento mínimo do poder público. A conservação e a manutenção requerem muitos recursos de restauro e conservação”, afirma a arquiteta. Entretanto, o custo estimado na época de R$ 80 milhões impediu o seguimento da proposta.

 

Via Estadão

 



Artigos relacionados

FAU-USP mantém acervo online da Revista Acrópole (1934-1971)

A revista agora possui todo seu acervo digitalizado, online e gratuito.

Cem anos de Bauhaus

A Escola de Bauhaus foi criada a partir da migração de artistas e ideias, se desenvolveu em constante interação com vários grupos de arquitetos, planejadores urbanos, cientistas e designers. Henry van de Velde teve um papel significante na trajetória de

André Corrêa do Lago é o primeiro brasileiro a integrar o júri do Pritzker

Esta é a primeira vez que um brasileiro é convidado a fazer parte da equipe de júri do Pritzker, considerado o Nobel da Arquitetura. A decisão foi anunciada no sábado, 20 de maio, durante a entrega do prêmio aos integrantes

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta