Prefeitura tomba seis obras de Paulo Mendes da Rocha

Prefeitura tomba seis obras de Paulo Mendes da Rocha

A Prefeitura de São Paulo homologou o tombamento de seis projetos, onde cinco são de autoria de Paulo Mendes da Rocha, e de outros 32 imóveis, incluindo o Club Athletico Paulistano, nos Jardins, na zona sul da capital paulista.

Os tombamentos foram aprovados pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) em março de 2018. Das obras de Mendes da Rocha, a decisão abarca as casas Paulo Mendes da Rocha, Mario Masetti e James Francis King, respectivamente no Butantã, Pacaembu (ambos zona oeste) e Santo Amaro (zona sul). Além disso, inclui a Escola Presidente Roosevelt, na Liberdade, região central, e o Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia (MuBE), nos Jardins.  

No caso das obras modernistas, as decisões consideraram a “importância do conjunto da contribuição arquitetônica paulista e paulistana à história da Arquitetura Moderna Brasileira que se intensifica a partir de meados dos anos 50”. Além disso, ressaltam que são uma forma de “salvaguardar” as obras como “bens culturais importantes da cidade” e de “transmiti-las como herança às sociedades futuras”.

No caso do Paulistano, o tombamento recai sobre o Ginásio Antônio Prado Júnior e a sede social, no Jardim América. O projeto é de Gregori Warchavchik, conhecido pela Casa Modernista. Com a decisão, intervenções nos elementos tombados somente poderão ser feitas mediante autorização do Conpresp.

 

Conpresp tomba Vila Holandesa, Parque Lina e Paulo Raia e Instituto Pasteur

As listas dos demais 32 tombamentos são de áreas de Zona Especial de Preservação Cultural (Zepec), cujo tombamento foi pleiteado em audiências públicas durante a discussão da Lei de Uso e Ocupação do Solo e do zoneamento. Dentre eles, está o Palacete da Família Almeida, na Granja Julieta, e o Parque Lina e Paulo Raia (que tem edificações do polonês Lucjan Korngold), no Jabaquara, ambos na zona sul.

A decisão também inclui o Instituto Pasteur, na Avenida Paulista, centro expandido, e 19 imóveis da Vila dos Holandeses e a Capela do Colégio Santana, ambos em Santana, zona norte. Já na zona leste, inclui o Abrigo da Rua Uruguaiana e um conjunto de sobrados na Rua Jairo Góis, no Brás, e a Paróquia Nossa Senhora do Carmo de Itaquera, em Itaquera.

Na Avenida Pompeia, zona oeste, o tombamento contempla a Igreja Nossa Senhora do Rosário e um casarão que fica no número 925, na esquina com a Rua Coronel Melo de Oliveira. Na Melo de Oliveira, está determinada também a preservação das características externas de um conjunto de três residências.

 

Texto original Estadão  

 



Artigos relacionados

“As mulheres na arquitetura e a produção de cidades mais inclusivas”

SC abre ciclo de debates “As mulheres na arquitetura e a produção de cidades mais inclusivas”     Em setembro, Santa Catarina receberá a primeira edição de um evento nacional para promover a inclusão das mulheres nas cidades. O Ciclo

Com projeto de bioconstrução, brasileiro é finalista de prêmio global

Por ONU Meio Ambiente   As populações do Semiárido brasileiro, região que ocupa cerca de 18% do território nacional, enfrentam diversos desafios socioambientais, como ciclos de chuva escassos, solos degradados e altas temperaturas. Em conjunto com políticas públicas específicas para

A Casa de Jajja

A arquiteta brasileira Mariana Montag, recém formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, criou um projeto que visa a construção de casas por e para mulheres da zona rural de Uganda. Jajja Nonnono Imaculate, de 75 anos, é a primeira beneficiada com

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta