Sérgio Parada: arquitetura dos anos 50 não atingia a todos

Sérgio Parada: arquitetura dos anos 50 não atingia a todos


O arquiteto Sérgio Parada, sócio do escritório Sérgio Roberto Parada Arquitetos Associados reconhece a importância da arquitetura moderna que marcou os anos 50 do século passado, mas alerta: ela não alcançava toda a sociedade. Parada atua em  Brasília, onde concedeu entrevista para Paulo Markun, especialmente destinada ao portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR.Temas:

00:00 A arquitetura brasileira na década de 1950
03:50 Verticalização
06:43 Otimismo com relação à arquitetura



Artigos relacionados

A luz e a arquitetura de Décio Tozzi

Em toda sua carreira, o arquiteto Décio Tozzi pesquisa o papel da luz na Arquitetura. Tozzi acha que Arquitetura é luz e sombra, também. E explica o que buscou no orquidário Ruth Cardoso. Entrevista a Paulo Markun, para o portal

A Arquitetura e a couve, por Alberto Botti

O arquiteto Alberto Botti, do escritório Botti Rubin acha que o governo brasileiro deveria seguir o exemplo da dona de casa, que ao comprar couve, primeiro examina a qualidade, para depois discutir o preço. Em entrevista a Paulo Markun, para o

Bruno Ferraz e dois bons exemplos

O arquiteto Bruno Ferraz, de Recife, sócio do escritório B’Ferraz Arquitetura destaca dois bons exemplos: os hospitais da Rede Sarah, projetos de João Filgueiras Lima, o Lelé e o edifício Acaiaca, de Recife, construído em 1958 pelo arquiteto Delfim Amorim.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta