Sérgio Parada: arquitetura dos anos 50 não atingia a todos

Sérgio Parada: arquitetura dos anos 50 não atingia a todos


O arquiteto Sérgio Parada, sócio do escritório Sérgio Roberto Parada Arquitetos Associados reconhece a importância da arquitetura moderna que marcou os anos 50 do século passado, mas alerta: ela não alcançava toda a sociedade. Parada atua em  Brasília, onde concedeu entrevista para Paulo Markun, especialmente destinada ao portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR.Temas:

00:00 A arquitetura brasileira na década de 1950
03:50 Verticalização
06:43 Otimismo com relação à arquitetura



Artigos relacionados

Índio da Costa: as dificuldades da legislação induzem à mediocridade

Índio da Costa dá um exemplo de sua experiência sobre como um arquiteto pode aprender com seu cliente. Em caso de casas residenciais, o arquiteto funciona como um moderador de expectativas e buscador de soluções para essas ambições.

Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou a arquiteto Sylvio de Podestá, um crítico da arquitetura modernista que teve seu apogeu nos anos 50 do século passado.

A escala do homem, por Alberto Botti

O arquiteto Alberto Botti, do escritório Botti e Rubin, acha que exemplos como Dubai e sua arquitetura monumental  desprezam a escala do homem. Botti reconhece que uma catedral gótica pode ser monumental, mas teme que a modernidade esteja apequenando os

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta