Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou a arquiteto Sylvio de Podestá, um crítico da arquitetura modernista que teve seu apogeu nos anos 50 do século passado.

Nascido em 1952, vive e trabalha em Belo Horizonte. É engenheiro arquiteto formado pela EAUFMG (1982) e sócio diretor da AP Cultural,   editora de livros e revistas de arquitetura, design e meio ambiente.

Temas:

00:00 Arquitetura brasileira dos anos 50
04:45 Verticalização
08:17 O que o arquiteto pode aprender com o usuário de seu projeto?
11:10 Otimismo com relação à arquitetura



Artigos relacionados

Rosa Kliass e a síndrome de Deus

Rosa Kliass paisagista, de 82 anos, nasceu em São Roque e formou-se arquiteta na FAU-USP. Ela é fundadora e ex-presidente da APAB (Associação Brasileira de Arquiteos Paisagistas) fez o projeto paisagístico do Parque da Juventude e a reforma do Vale

Rosa Kliass comenta sua obra

A paisagista Rosa Kliass, de 82 anos, descreveu a Paulo Markun várias obras de sua carreira. A história, a arquitetura e curiosidades dos projetos você confere nessa entrevista para o portal Arquitetura para Todos, do CAU/BR. Rosa Kliass nasceu em

Índio da Costa: quando entra má arquitetura o projeto encarece

Para o arquiteto Índio da Costa, houve nos anos 50 um terreno fértil para a arquitetura no sentido de que o tempo técnico para o planejamento do projeto era respeitado. Hoje em dia isso não acontece.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta