Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Sylvio de Podestá: não houve anos dourados

Para o portal Arquitetura e Urbanismo Para Todos do CAU/BR, Paulo Markun entrevistou a arquiteto Sylvio de Podestá, um crítico da arquitetura modernista que teve seu apogeu nos anos 50 do século passado.

Nascido em 1952, vive e trabalha em Belo Horizonte. É engenheiro arquiteto formado pela EAUFMG (1982) e sócio diretor da AP Cultural,   editora de livros e revistas de arquitetura, design e meio ambiente.

Temas:

00:00 Arquitetura brasileira dos anos 50
04:45 Verticalização
08:17 O que o arquiteto pode aprender com o usuário de seu projeto?
11:10 Otimismo com relação à arquitetura



Artigos relacionados

O que é arquitetura, segundo Luciano Margotto

O arquiteto Luciano Margotto, professor da Escola da Cidade e sócio do escritório República Arquitetos adota o conceito desenvolvido por Lúcio Costa. Arquitetura é construção com intenção.

Índio da Costa: as dificuldades da legislação induzem à mediocridade

Índio da Costa dá um exemplo de sua experiência sobre como um arquiteto pode aprender com seu cliente. Em caso de casas residenciais, o arquiteto funciona como um moderador de expectativas e buscador de soluções para essas ambições.

Gustavo Penna: o modernismo se desgastou

Em um bate-papo para o portal Arquitetura para Todos do CAU/BR, Gustavo Penna responde a Paulo Markun por que considera a arquitetura modernista dos anos 60 um estilo importante, porém já desgastado.

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta