Um mundo novo num futuro próximo

Um mundo novo num futuro próximo
Paulo Markun

 

Urbanizar as favelas e garantir o acesso de todos a acesso de todos a habitação segura, adequada e a preço acessível. Esta é apenas uma pequena parte do Objetivo 11 da Agenda 2030 – um conjunto de 17 objetivos, que se alcançados, irão construir um mundo novo e mais justo.

Imagine um planeta onde todos os homens e mulheres têm acesso a serviços básicos, como educação, saúde e moradia. Onde todo cidadão ou cidadã tem direito à propriedade e ao controle sobre suas terras; uma propriedade que não esteja exposta à vulnerabilidade de eventos extremos – desastres econômicos, sociais e ambientais. Um planeta regido por medidas e sistemas de proteção social, afinal.

Onde a fome e qualquer forma de desnutrição sejam banidos e seja assegurado o acesso de todas as pessoas a alimentos seguros, durante todo o ano. Que valorize a produtividade agrícola e a renda dos pequenos produtores de alimentos, particularmente das mulheres, povos indígenas, agricultores familiares, entre outros. Um sistema sustentável, que ajude a manter os ecossistemas e a diversidade genética neles existentes.

Um planeta em que assegure vida saudável para todos, com baixos índices de mortalidade. Bem diferente deste, que hoje habitamos, onde as doenças crônicas e aquelas resultantes de desastres são responsáveis por milhares de mortes. Mais de 70% delas provêm de doenças não transmissíveis, principalmente cardiovasculares, respiratórias, câncer e diabetes, doenças que atingem cerca de 40 milhões de pessoas por ano.

Onde seja garantida a educação inclusiva e equitativa, e possibilitadas oportunidades de aprendizado ao longo da vida, para todos. Que, a longo prazo, assegure trabalhos decentes e de qualidade, alavancando o crescimento econômico.

E, pensando em crescimento econômico, que haja investimentos em infraestruturas resilientes, em industrialização sustentável e em inovação. Que assegure mudanças nos padrões de produção e de consumo responsáveis e harmônicos para com o meio ambiente.

Um mundo onde a educação valorize a diversidade cultural e a igualdade de gênero. Sem qualquer tipo de discriminação e violência contra a mulher. No Brasil, no ano de 2018, cerca de 1,5 milhão de mulheres foram agredidas ou sofreram tentativa de alguma forma de agressão; entre os casos de violência, 42% ocorreram no ambiente doméstico- levantamento do Datafolha, para a ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

Uma terra, enfim, onde seja assegurada a disponibilidade e a gestão sustentável da água e saneamento para todos, além do acesso universal, moderno e a preço acessível da energia – com grande participação das renováveis. Medidas que combatam a mudança climática e reduzam seus impactos, conservando a vida dos oceanos, dos mares e recursos marinho, protegendo e recuperando os ecossistemas terrestres, gerindo florestas, combatendo a desertificação e revertendo a degradação da terra.

Utopia? Mas com prazo e compromisso global, acordado pela maioria dos governantes, que comprometem-se em viabilizar as metas acima até 2030. Um plano mesmo, elaborado em cima de 17 objetivos e 169 metas que visam o desenvolvimento sustentável. Estamos a pouco mais de dez anos do prazo estabelecido para o cumprimento da proposta, cuja missão é erradicar a pobreza do mundo e promover vida digna para todos.

Em 1992, aconteceu no Rio de Janeiro a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, onde mais de cem chefes de Estado discutiram e concordaram no caminho para garantir às gerações futuras o direito ao desenvolvimento.  Ali surgiu a Agenda 21.

Vinte anos depois, quase 200 delegações voltaram à cidade carioca para renovar o compromisso. A Rio+20 serviu para avaliar o progresso obtido até então e pensar novas metas, tendo como foco a economia verde e o arcabouço institucional para o desenvolvimento sustentável. Eis que surge a Declaração da Conferência Rio+20.

Esses encontros globais deveriam guiar as ações da comunidade internacional nos três anos seguintes e dar início ao processo de consulta global para a construção de um conjunto de objetivos universais de desenvolvimento sustentável para além de 2015 – ano em que foi, de fato, adotada a Agenda 2030.

Há mais de 25 anos imaginamos esse planeta… Mas sem sonho, sem projeto, o futuro jamais se concretizará.



Artigos relacionados

Em São Paulo, parques naturais municipais estão abandonados desde maio

Não há quem vigie os parques naturais municipais de São Paulo desde maio deste ano. A empresa responsável, a Atlântico Sul Vigilância e Segurança EIRELI, abriu falência em abril. Em maio seus funcionários abandonaram os postos na capital e desde então as unidades de conservação da cidade estão sem vigilância.

SescTV disponibiliza documentário sobre Biblioteca Mário de Andrade

Episódio da série Arquiteturas sobre a Biblioteca Mário de Andrade.

Após 20 anos, hotel projetado por Oscar Niemeyer é reaberto

O antigo Hotel Nacional reabriu suas portas com o novo nome de Gran Meliá Nacional Rio

Sem comentários

Escreva um comentário
Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar esta postagem.

Escreva um comentário

Deixe uma resposta